quinta-feira, 28 de abril de 2016

ROMANOS 11 E A SOBERANIA DE DEUS NA SALVAÇÃO



Por Alison Aquino

            Romanos 11 é uma daquelas passagens que não têm recebido tanta atenção no que diz respeito ao seu aspecto soteriológico. Quando esta porção da escritura é colocada em debate, as questões que giram em torno dela são relacionadas à escatologia. No entanto, Rm 11 é claramente uma forte evidência da soberania de Deus na salvação.

            E por “soberania de Deus na salvação” me refiro ao fato de que Deus é totalmente responsável pela salvação daqueles que ele determinou salvar. Significa que infalivelmente aqueles com quem Deus decidiu entrar em aliança serão salvos. Assim, vejamos o que o texto diz:

Porque não quero, irmãos, que ignoreis este mistério (para que não sejais presumidos em vós mesmos): que veio endurecimento em parte a Israel, até que haja entrado a plenitude dos gentios. E, assim, todo o Israel será salvo, como está escrito: Virá de Sião o Libertador e ele apartará de Jacó as impiedades. Esta é a minha aliança com eles, quando eu tirar os seus pecados. (Rm 11.25-27)

            A intenção deste breve artigo não é tratar sobre questões relacionadas a Israel e a igreja, embora eu pense que o “Israel” do qual o texto fala aqui diz respeito ao Israel nacional. O ponto é o que Deus diz que fará com Israel no que diz respeito à salvação deste.

            Primeiro, Deus diz que “todo o Israel será salvo”. Não é uma mera questão de possibilitar a salvação, mas de eficazmente salvar.  Perceba que Deus diz que ele fará algo, e esse algo é justamente salvar. Depois, a escritura diz: “Esta é a minha aliança com eles, quando eu tirar os seus pecados”. Um texto paralelo é Atos 5.31: 

Deus, porém, com a sua destra, o exaltou a Príncipe e Salvador, a fim de conceder a Israel o arrependimento e a remissão de pecados”. 

            Em outras palavras, Deus se encarrega de dar a Israel o arrependimento e fornecer em Cristo a expiação para os seus pecados, de modo que serão salvos. Como pode isso se encaixar dentro de um sistema onde a salvação é vista meramente como uma provisão, mas não necessariamente uma certeza garantida pelo próprio Deus?

            Logo, penso que é difícil ver como o texto de Romanos 11 pode ser explicado de uma forma distinta. Se Ele prometeu que “todo o Israel” será salvo, isso de fato acontecerá. Se Ele prometeu que tirará suas iniquidades, Ele o fará. Assim, Deus é aquele que promete salvar seu povo, fornece os meios necessários e infalivelmente realizará sua promessa.